A cama compartilhada com certeza é um daqueles assuntos que nós consideramos polêmicos.

Tanto leigos quanto especialistas discordam sobre a prática.

Se você é adepta da cama compartilhada, com certeza você já ouviu falar que você está mimando seu filho deixando ele dormir com você.

Esse é só um dos argumentos.

Você já deve ter ouvido muitos outros.

Mas, muitas mães mesmo com tantas críticas acabam adotando a cama compartilhada.

Talvez não em todas as noites, mas em algumas com certeza.

Quem nunca dormiu na cama dos pais?

Se fizer essa pergunta para seus parentes e amigos poucos vão responder que nunca dormiram por lá.

Então, por mais polêmico que seja a cama compartilhada é bastante usada e há muito tempo.

Mas, o que causa tanto desconforto?

Qual o motivo de tanta polêmica?

Continue lendo esse artigo e você vai ficar sabendo os benefícios e as consequências de o bebê dormir com os pais.

 

Para saber mais sobre o sono do bebê:

Leia: 10 dicas de como fazer o bebê dormir a noite toda

Faça o curso mamãe completa

 

MAMÃE COMPLETA PRIMEIROS CUIDADOS + SONO

 

O que é cama compartilhada?

 

Cama compartilhada nada mais é que deixar o seu bebê dormir com você na sua cama.

Geralmente a mãe usa a cama compartilhada por um desses dois motivos:

 

Ideologia:

 

A cama compartilhada é muito defendida por que o bebê se sente mais protegido estando próximo da mãe.

Ele passou 9 meses ouvindo os sons do organismo da mãe e muito próximo a ela.

Afastar o bebê abruptamente do contato com a mãe durante o sono pode ser muito difícil para o bebê.

Ele se sente inseguro e abandonado.

A cama compartilhada significa carinho, afeto e aconchego,

 

Comodidade

 

A vida de uma mãe recente não é nada fácil.

Os dias são complicados e as noites mais difíceis ainda.

A cama compartilhada proporciona um pouco mais de descanso para a mãe.

Você não vai precisar levantar todas as vezes que o seu bebê acordar.

Acalmá-lo é bem mais fácil quando ele já está do seu lado.

E amamentar não se torna algo tão cansativo se ele já estiver perto de você.

 

Contraindicações

 

Antes de tudo:

Não posso seguir falando de cama compartilhada e das suas contraindicações sem alertar.

A prática como um todo é contraindicada pela Organização Mundial da Saúde e pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

Esses dois órgãos acreditam que o método traz mais riscos que benefícios.

Pois, durante o sono os pais não controlam suas reações e podem colocar o seu bebê em perigo.

Como deixar ele cair da cama ou sufoca-lo com alguma parte do corpo.

Mais tarde vamos falar sobre isso.

Continue lendo o artigo e você vai poder decidir se a prática é benéfica ou arriscada.

 

Os defensores da cama compartilhada alegam que os acidentes podem ser evitados se a prática for adotada de forma planejada.

E se as contraindicações forem respeitadas.

 

Não compartilhe a cama com o seu bebê se:

– você e/ou o pai do bebê forem usuário de álcool, drogas ou medicamento que cause sonolência

– você e/ou o pai do bebê forem fumantes: o fumo causa maior risco de morte súbita do bebê

– você e/ou o pai do bebê forem obesos: a obesidade também causa maior risco de morte súbita do bebê

– seu bebê for prematuro ou teve baixo peso ao nascer

– seu bebê está com febre alta

– outro filho ou animal de estimação já dormem na mesma cama

 

Benefícios de o bebê dormir com os pais

 

Ficar perto da mãe é sempre bom.

Até mesmo nós adultos gostamos do carinho e do aconchego da mãe.

E os bebês mais ainda.

Eles são totalmente dependentes e precisam de alguém junto o tempo todo.

Até mesmo na hora do sono.

Assim, eles ficam mais seguros e protegidos.

 

Quem defende a cama compartilhada se baseia em dois argumentos importantes.

Que são:

– o bebê chora menos quando dorme na cama compartilhada.

– a cama compartilhada facilita a continuidade da amamentação.

 

Segue lendo o artigo e você vai entender um pouco mais de cada argumento:

 

O bebê chora menos quando dorme na cama compartilhada

 

Um bebê a partir de 6 meses já consegue usar o choro como seu aliado.

Ele já percebeu que quando chora ele pode conseguir mais fácil o que quer.

Já um bebê recém-nascido não é assim.

Quando ele chora é porque algo está o incomodando.

Pode ser fome, fralda suja, dor ou até mesmo sentimento de medo e abandono.

Quando o bebê chora é que algo está errado.

Com a prática da cama compartilhada o bebê se sente mais próximo da mãe.

Sente seu cheiro e escuta os sons do seu organismo.

Assim, ele fica melhor, acorda menos durante a noite e chora bem menos também.

 

A cama compartilhada facilita a continuidade da amamentação

 

Com a cama compartilhada é muito mais fácil para a mãe amamentar.

Seu bebê já está bem próximo a ela e ela não precisa se deslocar para amamentar.

As noites não ficam tão exaustivas e ela consegue um pouco de descanso.

Assim, ela consegue persistir mais na amamentação.

 

Consequências de o bebê dormir com os pais

 

Os que acreditam que a cama não deve ser compartilhada com o bebê baseiam-se em 2 argumentos principais:

– o risco de morte súbita do bebê

– a dependência emocional do bebê

 

Continue lendo o artigo e você vai poder entender um pouco de cada argumento.

 

O risco de morte súbita do bebê

 

Você sabe que esse é um medo bem comum nas mães.

A Síndrome da Morte Súbita em Lactente é a morte do bebê até 1 ano sem motivo aparente, geralmente durante o sono.

Embora a morte súbita aconteça em uma parcela pequena de bebês, é óbvio que nenhuma mãe quer que seu filho faça parte dessa estatística.

E como geralmente acontece durante o sono é preciso que alguns cuidados sejam adotados.

Alguns especialistas acreditam que a cama compartilhada pode aumentar os riscos.

Isso pode acontecer no caso de pais fumantes e obesos.

E também se houver travesseiros, almofadas, bichos de pelúcia ou cobertas muito pesadas.

Tudo isso pode favorecer a Síndrome da Morte Súbita em Lactante.

Ou seja, fazendo uso da cama compartilhada ou não é muito importante que você tome todos os cuidados para que isso não ocorra.

Então, veja uma lista do que fazer e do que evitar para proteger o seu bebê durante o sono:

– o bebê deve sempre dormir de barriga para cima

– deve dormir no quarto dos pais até os 6 meses de vida: pode ser no carrinho ou no berço acoplado.

– para dormir no berço em quarto separado é preciso ter uma babá eletrônica.

– não coloque almofadas, protetor de berço, brinquedos ou bichos de pelúcia no berço

– não use cobertores pesados

 

A dependência emocional do bebê

 

Outro fator que pode influenciar na contraindicação da cama compartilhada é a dependência emocional do bebê.

Alguns especialistas acreditam que ao deixar o bebê na cama você está fazendo com que ele não aprenda a dormir sozinho.

Está, inconscientemente, dizendo para ele que ele sempre precisará de você.

De certa forma o seu filho pode começar a acreditar que não consegue fazer as tarefas sozinho.

Gerando uma dependência emocional.

 

Cuidados da cama compartilhada

 

Agora você já sabe:

– o que é a cama compartilhada

– benefícios de o bebê dormir com os pais

– consequências de o bebê dormir com os pais

 

A partir de todas essas informações você pode decidir se vai adotar a prática.

Mas, é importante você também ficar sabendo que a cama compartilhada não deve ser somente uma opção quando você estiver exausta.

A cama compartilhada, se feita, deve ser muito bem planejada.

Uma série de cuidados devem ser tomados antes do bebê ir dormir com você na sua cama.

 

Para o bebê estar seguro, é preciso:

– deitar o bebê de barriga para cima, para evitar a síndrome da morte súbita do lactente

– usar um colchão firme e sem cobertores pesados, almofadas, travesseiros e bichos de pelúcia

amamentar: a mãe que amamenta fica mais alerta e adota uma postura de proteção do bebê.

– use grades ou protetores de cama

– preencha os espaços vazios da cama, como a cabeceira com mantas enroladas.

– o bebê deve dormir próximo da mãe e não no meio do casal

– somente cuidadores primários devem dormir com o bebê: esses costumam estar sempre alertas

– o ambiente deve estar arejado

– o bebê deve estar vestido de acordo com o clima, sem precisar de muitos cobertores

– não caia no sono com o bebê em qualquer lugar: sofás e poltronas não vão proporcionar um bom sono e o risco de acidentes e maior.

 

Mas, afinal, a cama compartilhada é uma boa opção?

A maternidade é algo muito complexo.

Envolve dois seres-humanos diferentes cuidando de outro ser-humano totalmente dependente.

Mas, que desde cedo já mostra a sua personalidade e singularidades.

Dizer que a cama compartilhada é uma boa opção ou não é querer me meter onde não devo.

Afinal, só vocês sabem como é o dia-a-dia, a casa e a convivência de vocês.

Um bebê dividindo a cama pode interferir no relacionamento dos pais.

Mas, isso vai depender de como cada pessoa vai reagir.

Não adianta você querer demonstrar amor e carinho para o seu filho e mantê-lo na cama se isso for influenciar no relacionamento do casal.

Porque os desentendimentos podem afetar mais ainda o bebê.

Então, avalie todas as informações e tome a decisão muito bem pensada.

Afinal, a cama compartilhada não é somente uma mãe exausta colocando o bebê para dormir com ela.

Envolve uma série de fatores, contraindicações e cuidados.

 

Para saber mais sobre o sono do bebê:

Leia: 10 dicas de como fazer o bebê dormir a noite toda

Faça o curso mamãe completa

 

MAMÃE COMPLETA PRIMEIROS CUIDADOS + SONO

 

 

Experiência de mãe

 

Eu uso a cama compartilhada.

Usei com as minhas duas filhas.

Nos primeiros 2 meses da minha filha mais velha eu a coloquei no carrinho do lado da minha cama.

Sempre que precisava eu estava ali do lado.

E teve momentos que precisaram sim.

Eu usava um travesseiro bem fino e leve.

E numa das noites ela conseguiu colocar o travesseiro no rosto.

Como ela dormia do meu lado eu percebi e tirei.

A partir daí comecei a optar por não usar travesseiros.

A minha segunda filha é muito próxima de idade da mais velha.

Então, a mais velha já dormia comigo na cama e não pude colocar a mais nova junto.

Ela dormiu no carrinho do lado da minha cama até os 7 meses.

Foram muitas noites dormindo de mãos dadas para acalmá-la.

Confesso que gostei muito da cama compartilhada.

Além do aconchego e carinho é muito mais prático para mãe.

As mães que trabalham precisam de uma noite um pouco mais tranquila.

Precisamos estar bem para os nossos bebês.

E dessa forma, o sono delas e a amamentação foram bem mais fáceis.

E o bom é que o bebê sempre tende a procurar a mãe dormindo.

Então, nunca tive medo de queda.

Era mais fácil elas caírem dormindo na cama de casal sozinhas num cochilo da tarde do que dormindo comigo.

Pois, elas sempre procuravam estar cada vez mais perto de mim.

 

Gostou do artigo?

Deixa um comentário e nos segue no Instagram.

E bem-vinda ao mundo da maternidade.