Fazer a introdução alimentar aos 6 meses pode ser um desafio para algumas mães.

Afinal, nós sabemos que a licença-maternidade para a maioria das mães trabalhadoras é de 4 meses.

Muitas mães que amamentam podem cair em tentação de iniciar esse processo mais cedo.

Mas, é importante que a amamentação seja exclusiva até os 6 meses de idade.

Para conseguir trabalhar e amamentar as mães acabam precisando ordenhar o leite e deixar congelado para poder conciliar as duas tarefas.

É chato e cansativo.

Mas, vale a pena dois meses de sacrifício para manter seu bebê saudável.

 

Escolha o melhor extrator de leite para facilitar nesse processo.

 

Não tem muita noção de como preparar uma papinha com tudo o que o seu bebê precisa?

 

Você pode encontrar aqui 101 ideias de papinhas.

 

Continue lendo o artigo e saiba mais sobre a introdução alimentar aos 6 meses.

 

Afinal, com quantos meses começa a introdução alimentar?

 

A introdução alimentar é recomendada após o fim da amamentação exclusiva.

Ou seja, aos 6 meses de vida você vai iniciar o processo de introduzir os alimentos para o seu bebê.

É um momento lindo e fofo e que rende muitas fotos e vídeos.

Mas, não é muito fácil e faz com que o seu dia fique bem atarefado.

 

Mas, minha licença terminou. Posso começar a introdução alimentar aos 4 meses?

 

Não é recomendado nem pela Organização Mundial de Saúde nem pelo Ministério da Saúde o início precoce da alimentação em bebês.

Para o seu filho crescer forte e saudável tente procurar formas de manter a amamentação até os 6 meses.

E só aos 6 meses comece a introdução alimentar.

 

Veja os melhores extratores de leite para facilitar a amamentação exclusiva até os 6 meses.

 

Saiba mais sobre amamentação e como congelar o leite materno.

 

Quer saber mais sobre a volta ao trabalho? Clique aqui

 

Quais frutas oferecer na introdução alimentar?

 

A dica é que você comece oferecendo frutas mais fáceis de amassar:

– banana

– mamão

– abacate

 

A maçã é uma fruta que você pode dar raspada.

Mas, a ideia é oferecer o maior número de frutas possível.

Então, pode oferecer laranja, manga, ameixa e diversas outras frutas.

Mas, uma dica:

A manga é uma fruta que pode causar alergia.

Então, nesse caso você pode dar a fruta dois dias seguidos e observar se o bebê não vai ter alguma reação alérgica.

E tome cuidado com a uva e jabuticaba pela dificuldade para engolir.

 

BLW ou alimento pastoso?

 

Existem dois métodos que são utilizados para a introdução alimentar.

O mais tradicional e o que você deve estar acostumada a ver é usar alimento pastoso.

As conhecidas papinhas.

Provavelmente a sua introdução alimentar deve ter sido assim.

Mas, também existe o método BLW ou baby-led weaning.

Traduzindo: desmame que o bebê lidera.

Isso mesmo!

O método consiste basicamente em cortar frutas em pedaços e deixar à disposição do bebê.

Esse método tem sido bastante polêmico.

Alguns acham ótimo por incentivar a independência e autonomia da criança.

E outros consideram sem valor nutricional.

(E muitas mães quase infartam em pensar no bebê se engasgar)

Mas, especialistas afirmam que o método é seguro.

 

E já que não existe um consenso entre os dois métodos uma boa dica é utilizar os dois.

Oferecer alguns alimentos pastosos e outros cortados em pedaços.

Assim, o bebê tem autonomia e recebe o alimento que precisa.

 

10 dicas valiosas na introdução alimentar aos 6 meses

 

Sei que você já deve estar ansiosa para saber como começar a introdução alimentar.

Então, separei 10 dicas que vão ajudar você nesse processo.

 

1)      Ofereça primeiro fruta

 

As frutas são ricas em vitaminas, sais minerais e água.

Além disso o gosto é mais adocicado e de mais fácil aceitação para o bebê.

Comece oferecendo uma fruta pela manhã.

Vai variando as frutas durante uma semana.

E não utilize nenhum tipo de complemento como açúcar ou farinhas.

Deixe a criança conhecer o sabor dos alimentos.

Depois da primeira semana aumente para uma fruta pela manhã e outra na parte da tarde.

 

2)      Lenta e gradual

 

A introdução alimentar aos 6 meses é lenta e gradual mesmo.

Tenha paciência.

Seu bebê não vai começar a comer a mesma quantidade de alimento que uma criança maior.

À medida que ele vai se acostumando você vai introduzindo mais refeições.

Após a segunda semana com duas frutas você pode começar na terceira ou quarta semana a introduzir o almoço.

O almoço vai ser uma papinha mesmo.

O importante é que nessa papinha contenha um representante dos 4 tipos de alimentos:

  • Hortaliças (folhas verdes, abóbora, beterraba, quiabo, tomate, cenoura etc.)
  • Cereais e tubérculos (arroz, batata-doce, batata, inhame, macarrão, aipim etc.);
  • Carnes e ovos (frango, peixe, boi, pato, vísceras ou miúdos, codorna, ovos etc.);
  • Grãos (feijão, lentilha, soja, ervilha, grão-de-bico etc.).

 

Não sabe como preparar uma papinha com tudo o que o seu bebê precisa?

Você pode encontrar aqui 101 ideias de papinhas.

 

3)      Rejeição é normal. Ofereça mais vezes

 

Você vai perceber que no início o seu bebê vai colocar tudo para fora.

É um reflexo da amamentação que se chama reflexo de protrusão de língua.

Ele ainda não sabe mastigar e engolir.

E nos primeiros contatos com o alimento a língua vai fazer o movimento que faz na amamentação e colocar todo o alimento para fora mesmo.

Mas, com o treino e insistência ele vai aprendendo.

Além disso, o bebê pode não se agradar do alimento nas primeiras vezes.

Não obrigue e em outro momento ofereça o mesmo alimento novamente.

Estima-se que você tenha que oferecer de 8 a 10 vezes o mesmo alimento até que o bebê aceite.

Ou seja, mais um exercício de paciência para nós mamães.

 

4)      Não bata no liquidificador

 

O alimento deve ser pastoso e batido no liquidificador ele vai ficar muito fino.

O certo é amassar com um garfo.

Os pedacinhos de alimento que ficam vão ajudar a ensinar o seu bebê a mastigar e engolir.

 

5)      Não misture os alimentos

 

Tente deixar os alimentos separados no prato e oferecer separado para o seu bebê.

Assim, ele vai conhecendo sabores e texturas diferentes.

É importante que ele saiba diferenciar os sabores.

Lembre-se que a introdução alimentar é um aprendizado.

 

6)      Evite sucos

 

Muitas mamães iniciaram a introdução alimentar por sucos.

Mas, infelizmente não é a melhor forma.

Pois, o suco faz com que a fruta perca parte do valor nutricional, que são as fibras.

Além do mais, o seu bebê não vai conhecer ao certo o sabor e textura da fruta.

Para hidratar o seu bebê ofereça água filtrada e fervida no intervalo entre as refeições.

 

7)      Evite

 

 

Existe uma lista muito importante que o seu bebê não deve conhecer até os 2 anos de idade.

– frituras

– enlatados

– salsicha

– refrigerante

– café

– salgadinho

– balas

– açúcar (até mesmo nos produtos, como bolos, bolachas e etc)

 

Você pode estar pensando:

Mas, coitada dessa criança que não come nada.

Na verdade, é uma demonstração de carinho que uma mãe pode dar.

Você pode ensinar o seu filho desde bebê a ter uma alimentação correta e saudável.

Evitando alimentos que não vão nutrir e somente aumentar a sua possibilidade de ficar doente.

Afinal, quantos adultos obesos, diabéticos e hipertensos existem por não conseguirem manter uma alimentação equilibrada.

Que, vamos combinar, nós sabemos que é bem difícil.

Aproveite que seu filho não vai sentir falta do que não conhece e ensine o valor de uma alimentação saudável.

 

8)      Tenha uma rotina

Rotina é sempre importante para o bebê.

E na alimentação não é diferente.

Então, mantenha os horários das refeições.

E coloque o bebê na mesa junto com a família.

Mantenha um ambiente agradável e tranquilo.

Não ofereça distrações para o seu bebê ir só engolindo a comida sem perceber o quê e o quanto está comendo.

Deixe-o experimentar o prazer dos alimentos.

Não obrigue a comer toda a comida.

Respeite seu limite.

Não castigue e não ofereça recompensas.

Assim, com o tempo o seu bebê vai aprender a perceber quando está satisfeito.

 

9)      Variedade x quantidade

Ofereça sempre diversos alimentos para o seu bebê.

Lembra dos quatro grupos de alimentos?

Então, se hoje você ofereceu arroz do grupo dos cereais e tubérculos, amanhã você pode oferecer batata.

E vai alternando para que o seu bebê conheça e se alimente de diversos tipos de alimentos e nutrientes.

Lembrando que é mais importante a variedade do que a quantidade do que ele come.

É uma época de aprendizado.

 

 

10)      Dê o exemplo

 

Aproveite esse momento e comece você mesmo a se alimentar melhor.

Você vai precisar preparar os alimentos do bebê.

Então, pare de colocar linguiça no feijão e use o mesmo feijão para a família toda.

Diminua o sal e gordura dos alimentos e assim vai poder usar a mesma refeição para todos.

Coma mais hortaliças.

Pois, o seu bebê com o tempo vai perceber que o que você come é diferente que o que ele come.

Seja o exemplo para o seu filho.

E tenha uma alimentação equilibrada você também.

 

Gostou das dicas?

Quer saber mais sobre papinhas de bebê?

Não consegue incluir o seu bebê junto da alimentação da casa?

Não tem muita noção de como preparar uma papinha com tudo o que o seu bebê precisa?

 

Você pode encontrar aqui 101 ideias de papinhas.

 

Experiência de mãe

 

Tive duas experiências bem distintas em relação a introdução alimentar.

Com a minha primeira filha foi bem difícil.

Ela realmente não gostava de nenhuma das papinhas que eu fazia.

Como eu trabalhava em dois turnos eu deixava as papinhas preparadas e congeladas.

Ela comeu relativamente bem até os 9 meses.

Nessa idade ela começou a não comer.

Não abria a boca e não tinha jeito: tudo o que eu oferecia, ela recusava.

Na consulta daquele mês ela chegou a perder 200g.

Me senti um fracasso como mãe.

Mas, ela mamava e se mantinha saudável com o leite materno.

A partir daí comecei a modificar a nossa alimentação.

E ela começou a comer a nossa comida amassada com o garfo.

Então, ela começou a comer um pouco melhor e fomos nos altos e baixos até agora.

Com 3 anos ela come bem, mas é bem seletiva com os alimentos.

Ficou até os 2 anos sem provar açúcar e não me arrependo disso.

Acredito que foi bem importante para ela conhecer bem todos os alimentos.

Imagina uma criança que não come e ainda conhece o açúcar?

Aí sim que ela só comeria alimentos sem valor nutricional.

Já a minha segunda filha é uma comilona.

Come de tudo e fica chorando pedindo mais.

A introdução alimentar foi bem fácil com ela.

 

O conselho que posso dar como mãe de duas meninas bem diferentes é o seguinte:

Tenha paciência.

Se o seu bebê não é daqueles que comem de tudo, como a minha primeira filha:

Tenha paciência.

Com o tempo ele vai começar a comer de tudo.

Não compense o que ele não almoçou dando leite ou qualquer outro alimento que não faça parte da rotina.

Insista e persista.

Essa é mais uma fase que vai passar.

 

Espero que você possa ter aprendido o que precisava sobre introdução alimentar aos 6 meses.

Gostou do artigo?

Deixa um comentário e nos segue no Instagram.

E bem-vinda ao mundo da maternidade.